IV ENCONTRO DE SECRETARIADO MOVIMENTA O CONGRESSO NACIONAL

O IV Encontro de Secretariado do Distrito Federal e Região teve início na manhã desta quarta feira (3/5), com visitas de representantes dos Sindicatos de Secretárias e Secretários de todo o país, filiados à FENASSEC (Federação Nacional de Secretárias e Secretários), aos gabinetes dos presidentes de comissões e demais deputados e senadores, reforçando o convite à participação na abertura do Encontro e pedindo apoio para a criação do Conselho Federal de Secretariado.

A abertura oficial do IV Encontro, cujo objetivo é discutir com os profissionais, discentes e docentes de secretariado à qualificação da profissão, diretrizes e oportunidades do mercado de trabalho nos seus níveis de atuação, aconteceu às 14h30 com Ato Político no Auditório Nereu Ramos, na Câmara dos Deputados, onde estiveram presentes o Sr Antônio Alves de Almeida (Presidente da CNTC), a Srª Bernadete Lieuthier (Presidente da FENASSEC), o Sr José Carlos Perret Schulte (Secretário Geral da CNTC), a Sra. Normélia Nogueira (Presidente do Sindicato das Secretárias e dos Secretários do DF – SIS/DF) Presidentes de Sindicatos Estaduais e Parlamentares.

O Sr Antônio Alves de Almeida abriu o encontro dando as boas vindas aos participantes provenientes de diversas regiões do país e às comissões de Angola e Moçambique, ressaltando aspectos importantes da missão do profissional de secretariado e o estímulo à luta que a FENASSEC proporciona aos seus filiados por meio de encontros e reuniões regionais. O Sr José Carlos Schulte afirmou que o apoio dos parlamentares revela a força do movimento e exortou a todos que se unam para lutar junto ao Congresso Nacional. A Srª Bernadete lembrou que a presença das secretárias e secretários no Ato político de abertura é um marco na história da Federação e a Sra. Normélia Nogueira ressaltou que cabe à categoria do Brasil o empenho e concentração de esforços conjuntos para a criação do Conselho Federal de Secretariado.

No decorrer do Ato, compareceram diversos parlamentares que falaram sobre a importância dos profissionais de secretariado para o país, elogiaram a iniciativa da CNTC, junto à FENASSEC e assinaram lista de apoio à luta pela criação do Conselho Federal de Secretariado. Estiveram presentes os deputados: Daniel Almeida (PCdoB/BA); Fernando Ferro (PT/PE – líder do partido na Câmara); Arlindo Chinaglia (PT/SP - líder do governo); Carlos Mota (PSB/MG); Paulo Pimenta (PT/RS); Arnaldo Faria de Sá (PTB/SP); Marco Maia (PT/RS); André Figueiredo (PDT/CE); José Múcio Monteiro (PTB/PE – líder do partido na Câmara); José Eduardo Cardoso (PT/SP); Selma Schons (PT/PR); Dra. Clair (PT/PR); o Deputado Estadual Simão Pedro (PT/SP); e o Senador Paulo Paim (PT/RS).
Ao final do Ato, o Senador Paulo Paim (PT/RS), ao se comprometer com a luta pela criação do Conselho, lembrou a força da união que garantiu a vitória dos estudantes e sindicalistas franceses sobre o governo. Manifestou ainda seu descontentamento com a articulação dos senadores que votaram a favor do recurso do governo ao Fator Previdenciário. São eles: Fernando Bezerra (PTB/RN); Aloízio Mercadante (PT/SP); Romero Jucá (PMDB/RR); Ideli Salvatti (PT/SC); Ney Suassuna (PMDB/PB); Ana Júlia (PT/PA); Tião Viana (PT/AC); Fátima Cleide (PT/RO); Sibá Machado (PT/AC).

Em seguida, todos os participantes se dirigiram ao plenário do Senado Federal, para expressar a indignação dos trabalhadores com o resultado da votação.
Por: João Bosco Veras - CCT

MINISTÉRIO PÚBLICO LANÇA CAMPANHA PARA ENFRENTAR NOVA LEI TRABALHISTA

O Ministério Público do Trabalho lançou segunda (7) a campanha Maio Lilás, que objetiva resgatar os direitos dos trabalhadores ameaçados pela reforma trabalhista de Michel Temer (Lei 13.467/17). O evento, no auditório da Procuradoria Geral do Trabalho, em Brasília, teve mesa-redonda com procuradores e representantes de entidades sindicais de trabalhadores e patronais.

O evento também lançou o site da campanha (www.reformadaclt.com.br/) e um vídeo sobre a nova lei trabalhista, esclarecendo detalhes sobre as mudanças implementadas e explicando o que muda após a aprovação da nova legislação.

A iniciativa, que tem apoio das Centrais e Sindicatos de todo o País, conta com diversas atividades durante o mês de maio.

O presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores, José Calixto Ramos, disse à Agência Sindical que movimentos como esse são importantes, a fim de ampliar o debate com a sociedade sobre o tamanho do estrago causado pela nova lei trabalhista. “A iniciativa é um incentivo à participação sindical. As entidades devem adotar a campanha, para mostrar à população a importância da proteção do Sindicato, única ferramenta de defesa do trabalhador”, explica.

Ataques - Calixto lembra que, além de enfraquecer os Sindicatos retirando a fonte de custeio, o governo tenta desmontar a proteção do trabalhador na Justiça do Trabalho. “O trabalhador precisa entender que, além de atacar a atuação sindical a partir da sua sustentação financeira, o governo e parte do Congresso Nacional querem acabar com a Justiça do Trabalho. A nova lei cria dificuldades a quem precisa entrar com ações”, frisa.

Segundo o procurador João Hilário Valentim, coordenador nacional de Promoção da Liberdade Sindical, a nova legislação coloca diversos obstáculos às atividades dos Sindicatos, principalmente ao dificultar a contribuição sindical. “Um Sindicato precisa de recursos para promover as ações em defesa dos representados. A crise no custeio afeta diretamente a ação sindical”, comenta.

Campanha - O Maio Lilás começou no ano passado. A cor lilás homenageia as 129 trabalhadoras, queimadas num incêndio criminoso numa fábrica de tecidos em Nova Iorque, dia 8 de março de 1857. Elas reivindicavam salário justo e redução da jornada de trabalho. No momento do incêndio, era confeccionado um tecido de cor lilás.

Fonte: Agência Sindical