Nossa vida não muda com a virada de um ano, mas podemos
mudar a forma que vamos viver deste momento em diante.
Autor desconhecido

     A cada início de ano, normalmente fazemos várias promessas de mudanças pessoais, mas quase nunca pensamos em nossa vida profissional, muito menos no que se refere ao coletivo, como por exemplo o que é possível fazer pela nossa profissão e a maneira de ajudar a fortalecê-la.
      É nítida a luta das entidades representativas, ou seja, sabemos que os sindicatos e a federação realizam um trabalho de valorização da categoria, objetivando a dignidade e o reconhecimento profissional. Numerosas já foram as ações - com várias conquistas -, mas somos cientes que há, ainda, muito a se buscar, principalmente nos tempos atuais no qual os direitos dos trabalhadores estão sendo ameaçados e até mesmo ceifados.
    Hoje, o profissional de secretariado, em especial o secretário executivo, exerce múltiplas funções ao mesmo tempo em diversos segmentos e desenvolve um trabalho de grande relevância nas organizações, além de atuar como facilitador na vida dos gestores, inclusive, direta ou indiretamente, nos processos decisórios.
     Por trabalharem em conjunto com a administração, no geral têm assumido, cada vez mais, responsabilidades importantes, mas nem por isso podem acreditar que são autossuficientes. É preciso entender que tudo o que foi conquistado, até agora, é fruto da união e, assim sendo, devem ter ações e atitudes positivas para a construção do futuro da categoria, dentro dos princípios do Código de Ética, inclusive no que se refere ao preceito verificado no Art.16º que reza o seguinte: “As Secretárias e Secretários deverão cumprir suas obrigações, tais como mensalidades e taxas, legalmente estabelecidas, junto às entidades de classes a que pertencem.”
    Assim, espera-se que cada um, principalmente os que se beneficiam das conquistas obtidas por meio das negociações coletivas, assinadas pelo SISDF com os vários segmentos econômicos, a exemplo dos pisos salariais diferenciados, reajustes anual, vale-alimentação, planos de saúde e odontológico, etc., conscientize-se que precisa fazer a diferença e agir em prol da categoria. Desta forma, é necessário entender que o sindicato necessita das taxas (assistencial/sindical) e da filiação para manter os direitos adquiridos e obter outros mais.