Sobre a questão do custeio do SISDF após a reforma trabalhista em 2017, que acabou com a obrigatoriedade da contribuição (ou imposto) sindical, e edição da MP 873/2019 a qual reforça o enfraquecimento das entidades sindicais, é necessário voltar ao assunto para mais alguns esclarecimentos e reflexões.

Inicialmente vamos discorrer sobre a importância da presença do sindicato para os profissionais de secretariado posto que é este quem defende seus interesses, negociando salários, firmando acordos coletivos com os patrões, batalhando pela ampliação dos direitos, incentivando a formação profissional, proibindo a contratação dos não habilitados (papel que seria de Conselho), prestando atendimento jurídico etc.

No Brasil, todo trabalhador regido pela CLT pertence a alguma categoria profissional e é representado por um sindicato, que luta por melhores condições de trabalho e maior qualidade de vida e embora não seja filiado, o empregado recebe as vantagens da negociação tal como os colegas que são associados. Assim, mesmo quem critica a entidade acaba sendo favorecido por suas conquistas.

A negociação coletiva não é uma tarefa simples. Na maioria das vezes, essas situações não são nem um pouco favoráveis ao empregado. E se dependesse somente dos patrões, não haveria aumento salarial, benefícios ou direitos trabalhistas. E é aí que se comprova a relevância do SISDF na vida do secretário. Desta forma, quanto mais representativo este for, maiores são as suas chances de realizar negociações efetivas que atendam às reivindicações dos profissionais.

Muitos criticam às entidades por não enxergar o fruto do trabalho efetuado. Por isso, é muito importante mostrar que para o sindicato desempenhar seu papel de proteção, precisa do apoio dos trabalhadores, que são os grandes usufruidores das atividades sindicais e de suas lutas. Assim, é preciso ainda ressaltar que sem as contribuições financeiras, nada é possível fazer e que os recursos arrecadados são utilizados para manutenção das atividades administrativas, da assessoria jurídica, dentre outros.

Também é necessário esclarecer que além de cooperar financeiramente para que o sindicato tenha condições de lutar pelos direitos e oferecer diversos benefícios existem outras formas de contribuir com quem lhe representa, participando ativamente das atividades como assembleias, atos e mobilizações. Com isso, a categoria reforça as ações coletivas e, quanto mais força demonstrar, maiores serão as condições de se obter conquistas.